Sem sinais de estabilização, Rússia passa de 100 mil casos de coronavírus

O número de casos confirmados do novo coronavírus na Rússia ultrapassou os 100 mil, já as mortes pela doença, com as 101 registradas nas últimas 24 horas, chegaram a 1.073, de acordo com relatórios das autoridades de saúde do país divulgados nesta quinta-feira.

Nas últimas 24 horas, 7.099 novos pacientes com coronavírus foram diagnosticados, o número mais alto desde o início da doença na Rússia, elevando o registro total de pacientes infectados para 106.498.

Moscou continua sendo o principal foco de infecção no país, com 53.739 casos e 611 mortes.

Ontem, o presidente russo, Vladimir Putin, estendeu até 11 de maio o período de confinamento e restrições à atividade econômica, a fim de retardar a propagação da epidemia.

Para esse fim, Putin declarou dias não úteis em 6, 7 e 8 de maio, de modo que as férias “pagas” – em vigor durante todo o mês de abril – foram estendidas até 12 de maio.

Embora a letalidade da Covid-19 na Rússia, cerca de 1% de acordo com as estatísticas oficiais, seja muito menor do que a observada em quase todos os países europeus, as autoridades alertaram que ele ainda não atingiu o pico da pandemia.

“É um vírus traiçoeiro. Quando aparentemente ocorre uma melhora e há uma remissão notável dos sintomas, ele ataca novamente. É por isso que é importante detectar alterações na condição do paciente em tempo hábil”, disse hoje o ministro da Saúde, Mikhail Murashko. EFE