Migração internacional é tema de encontro para agentes que atuam no acolhimento de venezuelanos

A Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc) e a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) iniciaram, nesta segunda-feira (07/05), a atividade de extensão “Migrações Internacionais, Direitos Humanos e Políticas Indigenistas”, voltado aos gestores públicos e à sociedade civil que atuam na política de migração, refúgio e apátridas com ênfase nos venezuelanos.

O curso, que vai até o dia 23 de junho, tem o objetivo de sensibilizar e capacitar agentes públicos e colaboradores envolvidos no acolhimento aos migrantes internacionais. “Essa é uma demanda dos próprios agentes que sentem a necessidade de uma melhor comunicação intercultural entre as instituições brasileiras e o público que vem de outros países em busca de uma vida melhor e até mesmo uma chance de sobrevivência, como é o caso dos venezuelanos”, justifica a titular da Sejusc, Eliane Ferreira.

O encontro está dividido em três eixos temáticos que abrangem a realidade amazonense, como as migrações internacionais e interculturalidade; direitos humanos, promoção da cidadania transnacional e; políticas indigenistas.

Ao final de cada eixo será realizada oficina intercultural. “O propósito dessas oficinas é trabalhar os desafios do acolhimento. Além disso, os participantes vão ser instigados a relacionar o conteúdo do curso com a vivência cotidiana do serviço de acolhimento e assim fazer pontuações de melhorias”, explica o coordenador da atividade, professor-doutor Sandro de Almeida Santos.

Deixe seu comentário