Governador Wilson Lima cuidava ‘pessoalmente’ de contrato fraudado

Redação
1 0
Tempo de leitura:1 Minuto, 7 Segundo

Brasília | Na decisão em que determinou as ações contra o governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), nesta quarta-feira (2), o ministro Francisco Falcão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), apontou ação direta do governador do Estado para fraudar o processo de contratação da Fundação Nilton Lins, que mantém um hospital em Manaus, para prestar serviços de Saúde durante a pandemia de Covid-19.

Conforme noticiado na coluna, a investigação apontou inicialmente que a licitação foi dispensada e o contrato foi direcionado para que o hospital, escolhido pessoalmente por Wilson Lima, fosse o escolhido para assumir um negócio de R$ 2,6 milhões. As fraudes em favor do hospital, no entanto, teriam sido ainda maiores, pois as investigações apontaram irregularidades do mesmo tipo em períodos anteriores.

“Há indícios no sentido de que o processo de dispensa de licitação tenha sido montado e datado de forma retroativa para dar ares de legalidade à escolha da Fundação Nilton Lins, feita diretamente por Wilson Miranda Lima, que, além de haver se manifestado publicamente sobre a contratação, segundo elementos de prova coligidos quando da busca e apreensão decretada no inquérito, sempre acompanhou pessoalmente as questões relacionadas à execução do contrato, o que justifica a nova realização da medida de busca e apreensão nos endereços residencial e profissional do governador”, escreveu o ministro Falcão.

Publicado por: David Richard

 

Happy
Haha
1
Sad
Triste
2
Excited
Amei
4
Sleepy
Tédio
1
Angry
Raiva
5
Surprise
Uau
0
PRÓXIMA PUBLICAÇÃO

Vídeo mostra filho matando a própria mãe com socos no rosto e enforcamento

Câmeras de segurança flagraram o momento em que Márcia Lanzane, de 44 anos, foi morta pelo próprio filho, Bruno Eustáquio Vieira, dentro da casa onde moravam, no Guarujá, litoral de São Paulo. O caso aconteceu em dezembro do ano passado, mas a Justiça decretou prisão preventiva de Bruno nessa terça-feira (1º/6). […]