Coronavírus: chineses vestem sacos plásticos para andar na rua

O fim do feriado prolongado do Ano-Novo chinês faz com que milhões de pessoas comecem a voltar para suas casas. No entanto, o medo da epidemia de coronavírus é visível nas ruas do país.

Em Pequim, Xangai, Guangzhou e Wuhan, além das máscaras, cidadãos estão usando sacos plásticos na tentativa de ficar protegidos contra o vírus, que já matou mais de 1.000 pessoas no país e infectou cerca de 42 mil.

O governo chinês prolongou o feriado do Ano-Novo até esta semana — inicialmente terminaria em 30 de janeiro.

O país, de 1,4 bilhão de habitantes, ainda está longe de voltar à normalidade.

A cidade de Wuhan, epicentro da epidemia, enfrenta uma quarentena virtual, com habitantes impedidos de sair, aeroporto e estações de trens fechadas e aumento do número de infectados pelo novo coronavírus.

Metrópoles como Xangai se tornaram cidades-fantasmas, com escritórios e escolas fechadas desde que a epidemia se agravou.

Um novo estudo, conduzido pelo renomado epidemiologista chinês Zhong Nan-shan, mostra que o novo período de incubação do novo coronavírus pode ser de até 24 dias, com base na análise recente de cerca de 1.000 pacientes confirmados na China.