Com 7 mil vagas, agosto lidera emprego com carteira assinada no Amazonas

Manaus | No emprego com carteira assinada no Amazonas obteve 7.019 vagas, em agosto, o maior saldo de vagas do ano e da série histórica para o mês, ao superar até agosto de 2009, que registrou 6.549 vagas. De acordo com os Cadastro Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), o resultado foi liderado pela indústria, com 2.785 vagas, puxado pelo segmento eletroeletrônico, de informática e de televisores. No País foram criados 249.388 novos postos de trabalho formal.

Pelo segundo mês consecutivo, o mercado de trabalho no Amazonas apresentou saldo positivo e quase dobrou as vagas em relação a julho, quando o saldo atingiu 3.951 postos. O Caged de agosto registrou 15.618 contratações contra 8.599 desligamentos.

Na indústria, a fabricação de equipamentos de informática, produtos eletrônicos e ópticos registrou o maior saldo , com 985 vagas, após a contratação de 1.391 operários e a demissão de 406. Já a fabricação de máquinas, aparelhos e materiais elétricos respondeu pelo segundo maior saldo, com 414 oportunidades abertas.

O setor de serviços foi o segundo maior a ofertar vagas, com saldo de 2.492 postos, após a contratação de 6.194 e a demissão de outros 3.702. O comércio, que perdeu para os serviços, fechou agosto com saldo de 1.031 vagas. Foram admitidos 3388 trabalhadores demitidos 2.357. Já o setor da construção civil teve saldo de 695 postos, com a contratação de 1.473 empregados e a demissão de 778 trabalhadores.

Crise

O resultado de agosto é inverso ao do meio da crise no mercado de trabalho do Amazonas, em 2020, provocado pelo isolamento social para conter o avanço da pandemia de Covid-19.
Em abril, o Caged registrou o pico 9.622 postos de trabalho perdidos, após fechar outros 3.263, em março. Em maio, a situação ainda estava crítica, quando foram fechadas 5.025 vagas e, em julho, foram perdidos 674 postos. À exceção de agosto, o emprego formal no Estado só registrou alta em janeiro (945) e fevereiro (1.850).

Nacional

No País, o saldo positivo de 249.388 novos postos de trabalho formal foi resultado de 1.239.478 admissões e 990.090 desligamentos.

Os cinco setores de atividade econômica tiveram saldo positivo em agosto. Impulsionado pela Indústria de Transformação, o setor econômico da Indústria liderou a geração de empregos formais, com saldo positivo de 92.893, em agosto.

A construção registrou saldo de 50.489; comércio, 49.408; serviços, 45.412; e agropecuária teve 11.213 novos postos.