Portal Amazon News

Conecta você à notícia

0 0

Manaus – Para discutir o Projeto de Lei 047/2019 que determina a regulamentação dos serviços de transportes por aplicativos em Manaus, a Câmara Municipal de Manaus (CMM) recebeu vereadores, mototaxistas, taxistas e motoristas que atuam por meio de aplicativos na tarde desta terça-feira (7). A segunda audiência que discute o tema foi marcada por uma confusão após pronunciamento do vereador Chico Preto.

O PL tramita na casa desde o dia 13 de março e define os direitos e deveres de todos envolvidos no serviço. Para evitar confusões como na primeira audiência, parte dos motoristas do aplicativo assistiu a audiência  em um telão na parte externa da Câmara.

Desta vez, a audiência foi dirigida pelo presidente da Comissão de Finanças, Economia e Orçamento, vereador Gilmar Nascimento (PSD) e debateu principalmente os impactos econômicos e financeiros que o modal trará para a cidade.

A audiência seguiu tranquila até o momento em que o vereador Chico Preto defendeu ser favorável ao serviço de transporte por aplicativo. No calor da emoção, o parlamentar disse que os taxistas deveriam virar motoristas da Uber ou se adequar as novas exigências para mobilidade urbana.

Taxistas e mototaxistas foram para cima do parlamentar após ele deixar a tribuna. A audiência precisou ser suspensa por dois minutos, mas os ânimos foram contidos e Chico Preto voltou ao parlamento para reconsiderar o que havia dito.

“Eu expliquei aos taxistas que eles não podem querer soluções para a classe na Lei do Uber. Disse que não sou inimigo de ninguém, e que o problema dos taxistas não pode ser resolvido prejudicando a Uber. É regra de mercado, muitas pessoas que não estavam satisfeitas com a atividade de táxi, passaram a ser da Uber”, relatou o parlamentar ao Em Tempo.

Na ocasião, o gestor da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), coronel Franclides Ribeiro, explicou a importância destas audiências para que ao fim, se aprove um projeto que seja benéfico para todos.

Para Márcio Fleury, representante dos taxistas de Manaus, o PL tem que ser  justo para todos os modais.

“Se eles não estão regulamentados, então estão fazendo transporte clandestino e está tirando vantagem de outros modais. A Câmara Municipal não pode ser injusta”, ressaltou. Para Fleury, é preciso respeitar a Lei Federal de mobilidade urbana.

“Não podemos chegar com uma plataforma e deixando-a cobrar o que quiser”, ressalta o representante.

“Não somos contra qualquer aplicativo que queira atuar na cidade, o que queremos é a regulamentação, mas que seja de forma justa, para que não haja predadores do sistema. Sofremos com os clandestinos, pagamos todas as taxas possíveis, e os aplicativos ainda não estão regulamentados, mas é preciso rever essa taxa de um por cento, para que ninguém saia perdendo”, disse Anderson Souza, presidente do Sindicato dos Profissionais Mototaxistas de Manaus (Sindmoto).

Outro lado

Edson da Costa Gonçalves, representante dos motoristas de aplicativos, acredita que foi um erro chamar os outros modais para audiência pública.

“Os taxistas e mototaxistas já têm as leis deles. A audiência é  específica para regulamentação para transporte por meio de aplicativos. Não são os problemas deles que vão resolver a nossa situação”, explica.

Outra audiência  pública deve ser realizada para tratar do mesmo Projeto de Lei. Ainda não há uma data para isso acontecer.

Happy
Haha
0
Sad
Triste
0
Excited
Amei
0
Sleepy
Tédio
0
Angry
Raiva
0
Surprise
Uau
0