Atirador de elite do Bope mata sequestrador de ônibus na ponte Rio-Niterói

Rio de Janeiro – Um atirador de elite do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) matou o sequestrador que mantinha 31 pessoas reféns em um ônibus na ponte Rio-Niterói na manhã desta terça-feira, 20. Pelo menos seis disparos foram ouvidos no local. Após os tiros, um atirador de elite comemorou sobre um carro dos Bombeiros.

“O ideal era que todos saíssem com vida, mas tivemos que tomar a decisão de salvar os reféns. Nossa primeira preocupação é salvar os reféns. O que assistimos foi um trabalho técnico da polícia”, disse o governador do Rio, Wilson Witzel (PSC).

Este slideshow necessita de JavaScript.

O corpo do sequestrador foi levado do local logo após a confirmação das mortes. “Determinei que a Secretaria da Vitimização cuide tanto dos reféns quanto da família do que veio a óbito. Falei com um dos familiares, ele pediu desculpas a mim, à sociedade e aos reféns. Disse que algo falhou na criação. Agora, vamos cuidar da família dele, a mãe dele está muito abalada, entender o que ocorreu para que outros casos não ocorram”, disse o governador.

De acordo com a reportagem, o homem se identificou como policial militar e começou a dar ordem a passageiros e motoristas. Contudo, a ligação dele com a corporação foi negada pela PMRJ. Inicialmente, 37 pessoas estavam no ônibus, incluindo o motorista. Ele mandou que o condutor encostasse o coletivo atravessado na subida do vão central da ponte.

O homem ameaçava incendiar o ônibus. Ele está com um simulacro de revólver, uma arma de choque e uma faca. Por volta de 6h30, o sequestrador chegou a arremessar uma garrafa em chamas com gasolina para fora do veículo.

O governador do Rio também se manifestou sobre o sequestro no Twitter: