Assembleia Legislativa aceita pedido de impeachment de Wilson Lima

Manaus – A Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) acatou, na manhã desta quinta-feira (30), o pedido de impeachment do governador do Amazonas, Wilson Lima, e de seu vice, Carlos Almeida, protocolado, na última terça-feira (21), na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM), pelos Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam). A informação foi confirmada pelo presidente da ALE-AM, deputado estadual Josué Neto, durante sessão on-line.

VEJA TAMBÉM: Processo de impeachment de Wilson Lima e Carlos Almeida é protocolado na ALE-AM

O pedido foi assinado pelo presidente do sindicato, Mário Viana, que afirmou que o governador e o vice cometeram crimes de responsabilidade porque, segundo a entidade, “a probidade administrativa foi completamente quebrada no momento em que estes foram contra o princípio da economia das verbas públicas, com esvaziamento desenfreado e inconsequente dos cofres públicos do Amazonas”.

A partir da admissão, será formada uma comissão para avaliar a denúncia do Simeam e a comissão deve elaborar um relatório final pela admissibilidade ou não do impeachment. Para que seja aprovado o afastamento do governador e vice, é necessário o voto de 16 deputados estaduais da ALE.

Outro trecho do documento cita que “o patrimônio público foi dilapidado com tantos fomentos a eventos em época de crise, como quando foi patrocinado o evento ‘Peladão à Bordo’, e a Expoagro, que, juntos, custaram mais de R$ 1 milhão aos cofres públicos, sem contar com os eventos carnavalescos e culturais que viraram rotina nesse governo”.

Outro caso citado é o pagamento de R$ 736 milhões a título de gastos das gestões anteriores “em um período que se mostra absolutamente delicado ao Estado do Amazonas, onde a sua população está falecendo por uma doença que causa uma pandemia global atualmente, e, também, onde o hospital referência no tratamento dessa doença (COVID-19) não opera nem com 50% da sua capacidade, mas o Instituto responsável pela sua gestão recebe mensalmente o valor integral para execução do contrato“.